quarta-feira, 7 de agosto de 2019

EX-PREFEITA E EX-SERVIDORES SÃO PRESOS POR SUSPEITA DE FRAUDES EM GAMELEIRA E AMARAJI - PE

Suspeitos de participar de uma organização criminosa que realizava crimes de lavagem de dinheiro, fraude em licitações e peculato nos municípios de Amaraji e Gameleira, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, foram alvos das operações “Sequência Real” e “Carta Marcada” deflagradas na manhã desta quarta-feira (07), pela Polícia Civil de Pernambuco. Ex-prefeita e ex-servidores municipais estão envolvidos e os desvios chegaram a aproximadamente R$ 1 milhão.

Segundo o gestor das Delegacias Especializadas, Delegado, Jean Rockfeller, as investigações da Sequência Real, em Amaraji, foram iniciadas em maio deste ano e nove mandados de busca e apreensão domiciliar estão sendo cumpridos no município. Já em Gameleira, as investigações da operação Carta Marcada começaram em dezembro do ano passado e durante a Operação desta quarta-feira (07), foram cumpridos nove mandados de prisão temporária e 11 mandados de busca e apreensão domiciliar.

“Os alvos são ex-servidores das Prefeituras de Gameleira e Amaraji que, na gestão passada, fraudavam licitações de serviços de assessoria técnica e jurídica, entre eles, cinco são mulheres e quatro homens. As empresas envolvidas ganhavam as licitações, mas, não ofereciam os serviços à gestão”.

Ainda segundo o delegado, a ex-prefeita de Gameleira, Yeda Augusta Santos de Oliveira (eleita em 2012 pelo PDT) é uma das suspeitas e já foi presa na manhã desta quarta-feira. “Além dela, um advogado também fazia parte da organização criminosa. 

Ele prestava serviços para as duas prefeituras através de uma empresa e favorecia licitações nas duas cidades, somando um prejuízo total de aproximadamente R$ 1 milhão aos cofres públicos”, afirmou.

As investigações estão vinculadas ao Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco), sob a presidência da Delegada, Isabela Veras. Ao todo, participaram das duas operações, 150 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães.

Os homens presos estão sendo encaminhados ao Presídio de Palmares e as mulheres, à Colônia Penal Feminina do Recife. Os detalhes destas operações serão apresentados à imprensa nesta quinta-feira (08), durante entrevista coletiva.

BARRAGEM DE TABOCAS “TRANSBORDA” NO AGRESTE PERNAMBUCANO.

O período de estiagem que atingiu a Barragem de Tabocas, situada em Serra dos Ventos, Belo Jardim região Agreste de Pernambuco.

O reservatório verteu como há muito tempo não acontecia, fazendo na ocasião a alegria dos moradores que fizeram do local quase um ponto turístico.

A Barragem de Tabocas tem capacidade para armazenar 1,1 milhões metros cúbicos de água. A última vez que a barragem havia passado por situação semelhante foi no ano de 2017.

POLÍCIA REGISTRA TRÊS ASSALTOS A VEÍCULOS NA BR-104.


Nas primeiras horas desta segunda-feira (05), mais um cidadão teve seu veículo tomado de assalto em uma das rodovias mais inseguras do Agreste Pernambucano, BR-104. A vítima relatou à Polícia que trafegava pela BR-104, com destino a cidade de Caruaru, quando ao passar no município de Cupira, se aproximaram alguns elementos em dois veículos, um Uno, de cor; Verde e um EcoSport da mesma cor. Armados, os bandidos anunciaram o assalto e ainda lhe levaram como refém em seu veículo Strada, de cor; Branca, de placa; ORF-6868.

Os indivíduos passaram bastante tempo com o refém. Eles ainda foram até a cidade de Agrestina de onde retornaram para Quipapá, local onde a vítima foi liberada, na zona rural. Em seguida, eles tomaram destino ignorado levando o veículo.

A onda de assaltos na referida BR deu sequência, fazendo mais vítimas. Desta vez, foi um cidadão que trafegava num veículo Celta, branco, de placa; KFO-7522, isto no município de Panelas. Ele disse à Polícia, que elementos num carro não identificado lhe trancaram no meio da rodovia. Armados, entraram no seu carro e fugaram com destino a cidade de Quipapá, onde lhe jogaram para fora e se evadiram.

A insegurança na BR-104 segue fazendo vítimas. Na manhã desta terça-feira (06), mais um cidadão teve sua motocicleta tomada de assalto quando trafegava pela rodovia com destino ao seu trabalho, que é em Agrestina. A vítima relatou à Polícia local, que foi surpreendida por elementos armados com revólver, numa moto. O garupa apontou a arma para sua cabeça e lhe obrigou a parar e entregar sua moto, uma HONDA CG 125, de cor; Preta e de placa; KGY-9009.

PARAÍBA: MP investiga venda de mandato de vereador por R$ 35 mil no Cariri da Paraíba


Após mais de dez anos sem um desfecho, a denúncia da venda de um mandato de vereador na cidade de Prata, no Cariri do Estado, continua provocando desdobramentos. O promotor da Comarca de Sumé, Bruno Leonardo Lins, decidiu instaurar um Procedimento Investigatório Criminal para investigar o caso. Ele também arquivou um inquérito civil público, iniciado na época.

De acordo com a denúncia, o ex-vereador José Erinaldo de Sousa, conhecido como Bobô, teria vendido por R$ 35 mil o mandato dele ao suplente Israel Simões de Araújo. O fato teria acontecido em 2009 e, no dia 14 de junho de 2010, o suposto ‘negócio’ foi registrado em cartório por José Erinaldo.

O ex-vereador renunciou ao cargo e Israel Simões assumiu uma das cadeiras do legislativo de Prata. A comercialização do mandato ainda envolveria um emprego, que seria dado ao ex-vereador Bobô na prefeitura de Prata. Na época, o prefeito da cidade era Marcel Nunes de Farias.

No trecho inicial da declaração, feita em cartório o documento diz que “para os devidos fins de direito a quem interessar possa, especialmente para fazer prova a Justiça da Comarca da Prata, Estado da Paraíba, que recebi do senhor Ismael Simões de Araújo, brasileiro, casado, vereador do município de Prata-PB, a importância de R$ 35.000,00 (trinta e cinco mil reais) referente ao pagamento da venda do meu mandato de vereador conquistado em outubro de 2008 pelo Partido Republicano Progressista (PRP) que integrou a Coligação Prata no Rumo Certo com outras agremiações políticas”.

Outro lado

O Procedimento Investigatório Criminal aberto pelo Ministério Público traz como investigados o ex-prefeito de Prata, Marcel Nunes, e o ex-vereador José Erinaldo de Sousa. Por telefone, o ex-prefeito disse que está tranquilo e jamais teve qualquer envolvimento na suposta negociação. “Nós fomos inclusive notificados de que o inquérito civil foi arquivado. Eu nunca participei disso e estou tranquilo”, comentou.

O blog não conseguiu contato com o ex-vereador José Erinaldo. Na época em que foi apresentada a denúncia o vereador Israel Simões negou ter comprado o mandato de José Erinaldo. Ele disse que jamais fez qualquer pagamento ao ex-vereador e disse que não tinha sequer condições de ter R$ 35 mil disponíveis.


Por JP João Paulo Medeiros
Fonte: Portal de Olho no Cariri

Shareaholic