quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Polícia Civil prende 54 suspeitos de tráfico e homicídios na Mata Sul

O delegado responsável pela operação, Marcelo Queiroz, explicou detalhes da operação em coletiva Foto: Divulgação/Polícia Civil

Subiu para 54 o número total de presos durante toda a operação ‘Harley Quinn’, que teve a sua última etapa deflagrada nessa quarta-feira (21) pela Polícia Civil com o objetivo de coibir a ação de uma quadrilha especializada em homicídio, tráfico de drogas, roubos e porte de armas no município de Palmares, na Mata Sul de Pernambuco. Dessas, 30 apreensões foram feitas durante o curso das investigações, que foram detalhadas em coletiva nesta quinta-feira (22), na sede da Polícia Civil, pelo delegado responsável, Marcelo Queiroz.

De acordo com o delegado, durante as investigações iniciais, que começaram em dezembro do ano passado, foi percebido que muitos dos suspeitos envolvidos nessa quadrilha estavam sendo presos, mas as atividades ilícitas continuavam. “Notamos que eles estavam usando as companheiras, inclusive sabendo dos benefícios da lei, já que uma mulher quando está grávida ou tem um filho menor, nesses casos, tem a prisão domiciliar decretada, para dar continuidade aos negócios ilícitos”, explicou.

Segundo ele, uma das suspeitas presas foi a Rafaela Floriano da Silva, conhecida como ‘Rafinha’. A mulher, que é esposa de Cícero Pereira da Silva, também alvo da operação, já teria sido presa transportando 4kg de maconha em um ônibus dentro de um a bolsa de bebê. Grávida, a suspeita também estava junto com uma criança no momento da prisão. “Ela foi a audiência de custódia, foi liberada. Mas, nós verificamos que ela continuava com a atividade criminosa, e ai vimos que precisávamos efetuar o mandado de prisão preventiva, cumprido durante a deflagração da operação”, comentou.

No total, 10,5 quilos de maconha foram apreendidos durante todo o curso da investigação e deflagração da operação. Além do entorpecente, oito armas de fogo, sendo duas de uso restrito do Exército, também foram apreendidas.

O delegado afirmou que, durante o curso da operação, quatro homicídios foram evitados. “Pistoleiros de recife foram contratados, pela quadrilha, para matar quatro pessoas de um grupo rival. Conseguimos evitar”, disse.

Todos os alvos da ‘Harley Quinn’ foram presos e encaminhados para audiência de custódia. As mulheres apreendidas foram recolhidas para a Colônia Penal Feminina do Recife, localizada no bairro da Iputinga, no Recife. Já os homens estão recolhidos na Penitenciária de Palmares.

Relações 

Um dos alvos da operação, Saulo Dytácio Barbosa da Silva, tem relação com a organização criminosa investigada pela morte do advogado trabalhista, André Ambrósio Ribeiro, 46, que foi assassinado a tiros no dia 12 de julho deste ano. Segundo o delegado Marcelo Queiroz, a polícia ainda investiga a relação do suspeito com as pessoas investigadas pelo crime.

O grupo também foi responsável pelo homicídio de um comissário da polícia, em 2016, em Água Preta, na Zona da Mata do estado. José Guilherme Fonseca teria sido assassinado por um dos membros desse grupo, que foi preso, mas continuou com as atividades criminosas de dentro do presídio.

'Harley Quinn'

Dos 24 presos detidos nesta últimas etapa da Harley Quinn, 11 eram mulheres. “Eram companheiras dos investigados durante a Operação, e que ficaram aqui fora comandando o tráfico sob orientação dos que haviam sido presos”, revelou.

De acordo com o Diretor, o nome da Operação é uma referência à personagem Arlequina, parceira do vilão Coringa no universo dos quadrinhos da DC Comics. “Trazendo em definição mais ampla, é a companheira do criminoso. A grande maioria [das detentas] tinha vínculo - quando não era afetivo, familiar - com pessoas que já haviam sido presas pela Operação”.


Com informações do JC Online

MORRE EM HOSPITAL DO RECIFE A VITIMA DE ACIDENTE EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE - PE

Morreu nesta quinta-feira (22), no Hospital da Restauração, no Recife, o motociclista vítima de acidente na PE-160, em Santa Cruz do Capibaribe, na noite de quarta-feira (21). José Ildo Silva, 46 anos, conduzia a moto com uma filha de 15 anos na garupa, quando foi atingido por um carro. A adolescente sofreu ferimentos leves.

O acidente aconteceu no sentido Santa Cruz/Poço Fundo. O motorista do carro, que não teve a identidade informada, teria tentado ultrapassar uma carroça de burro e acabou atingindo a moto.

POPULAR FOI ASSASSINADO EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE - PE

Em Santa Cruz do Capibaribe, um garçom foi assassinado a tiros nesta quarta-feira (21). O crime aconteceu na residência de amigos da vítima, no Loteamento Vila do Amor.

A vitima, Adésio Arlindo Barbosa Moraes, 54 anos, foi morto com um tiro. Um desconhecido trajando blusa verde é suspeito de ter praticado o homicídio.

A polícia trabalha com a possibilidade de o garçom ter sido morto em uma tentativa de latrocínio, já que o assassino teria praticado assaltos nas proximidades minutos antes.

GRAVE ACIDENTE DEIXA HOMEM GRAVEMENTE FERIDO EM ACIDENTE NA PE 160 EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE - PE

Um motociclista ficou ferido em um acidente na PE-160, em Santa Cruz do Capibaribe, na noite desta quarta-feira (21). José Ildo Silva, 46 anos, foi atingido por um carro que vinha no sentido contrário.


De acordo com testemunhas, o motorista do carro tentou ultrapassar uma carroça de burro e acabou atingindo a moto. O motociclista sofreu fraturas no braço e perna, sendo socorrido pelo Samu para a UPA e transferido para o Hospital da Restauração, no Recife. A filha dele, de 15 anos, que também estava na motocicleta, teve ferimentos leves.

TRIO DE CANIBAIS É JULGADO NO RECIFE POR DOIS ASSASSINATOS COMETIDOS EM GARANHUNS

Depois da condenação em novembro de 2014, o trio conhecido como “Canibais de Garanhuns”, por assassinar, esquartejar, consumir e vender carne humana dentro de salgados, vai a júri novamente nesta sexta-feira (23). Os réus, acusados pelas mortes de duas mulheres de 20 e 31 anos em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco, são julgados no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, na Ilha Joana Bezerra, no Centro do Recife.

O caso seria julgado em Garanhuns, mas o advogado de um dos réus entrou com uma solicitação para que o júri acontecesse em outra comarca.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), a sessão tem início com a escolha dos sete jurados para o Conselho de Sentença e, em seguida, o delegado Wesley Fernandes, responsável pela investigação do caso em Garanhuns, é ouvido como testemunha.

O julgamento segue com o interrogatório dos réus, debate entre promotor e defesa e, por fim, o julgamento do Conselho de Sentença.

Segundo a Denúncia do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), as duas vítimas foram chamadas à casa de Jorge Beltrão Negromonte Silveira, um dos réus, para ouvir a palavra de Deus ou para um trabalho de babá. Com a participação de Isabel Cristina Pires da Silveira e Bruna Cristina Oliveira da Silva, as mulheres foram mortas em 2012 e partes dos corpos foram armazenadas para consumo dos três acusados.

 “Nesses dois casos, estão confirmadas a autoria e a participação dos três. Sem sombra de dúvida, cada um teve sua participação. Nessa seita criada pelo réu Jorge, havia uma determinação de que cada um iria cumprir um determinado papel na execução desses crimes”, afirma o promotor do MPPE, André Rabelo.



O representante do MPPE também contesta o argumento utilizado pela defesa no julgamento de 2014, de que os réus têm transtornos mentais. “Foram feitos laudos psiquiátricos por peritos oficiais do Estado, então não há dúvida nenhuma de que nenhum deles é portador de nenhuma doença mental. Existe, naturalmente, um transtorno de personalidade, afinal de contas ninguém mata pessoas e come partes de um ser humano”, declara o promotor.

Antes da sessão, a defesa de Isabel Cristina Pires da Silveira, uma das pessoas a serem julgadas, preferiu não falar sobre os argumentos. “Não vamos adiantar nenhuma tese de defesa no momento, nós trabalharemos para fazer a melhor defesa técnica possível da nossa cliente pois acreditamos na inocência dela”, afirma o advogado Leandro Levi.

Os três réus são julgados por duplo homicídio triplamente qualificado – por motivo torpe, com emprego de cruel e impossível a defesa da vítima, além de ocultação e vilipêndio de cadáver e de furto qualificado.

Jorge Beltrão e Bruna Cristina respondem ainda por estelionato, sendo que Bruna será julgada também pelo crime de falsa identidade.

Condenação em 2014

No primeiro dos dois dias de julgamento, em 2014, o trio foi hostilizado ao chegar ao Fórum de Olinda e trocou acusações entre si durante os depoimentos. Eles contaram detalhes macabros da ação e uma das rés, Bruna Cristina, disse que “Jogos Mortais perdia” ao descrever o assassinato de uma das vítimas. A ré afirmou que chegou a comer a carne da mulher por causa do ritual.

Por crimes da mesma natureza cometidos em 2008, Jorge Beltrão Negromonte da Silveira pegou 21 anos e seis meses de reclusão e um ano e seis meses de detenção, totalizando 23 anos. Já as rés Isabel Cristina Torreão Pires e Bruna Cristina Oliveira da Silva pegaram 19 anos de reclusão e um ano de detenção, totalizando 20 anos cada.


Fontr: Portal Agreste Violento

Shareaholic