domingo, 20 de outubro de 2013

Eleições 2014

Em congresso médico, Eduardo Campos diz que o Brasil falhou na formação para a área de saúde e hoje precisa importar médicos
O governador Eduardo Campos aprovietou a sua participação na abertura oficial do 51º Congresso Brasileiro de Educação Médica (Cobem), na manhã deste domingo (20/10), no Centro de Convenções de Pernambuco, no Recife, para criticar a gestão na área de saúde.

Para um público de aproximadamente duas mil pessoas, entre estudantes de medicina e professores de todo o País, o governador defendeu a definição de um planejamento estratégico para "vencer os gargalos e consolidar, efetivamente, no Brasil o Sistema Único de Saúde (SUS) como um direito da cidadania brasileira".

"Entendo que o diálogo que será travado neste congresso tem como diretriz colocar, de um lado, as necessidades sociais e, do outro, as tecnologias que precisam ser aprimoradas, para responder a um modelo que precisa de inovação, sim. Precisa da formação de mais brasileiros para a área da saúde, não apenas aqueles que vão fazer medicina, mas todos os outros cursos. Nós precisamos reconhecer publicamente que o Brasil falhou no planejamento da formação de pessoas para uma área essencial à expressão da cidadania brasileira. Se hoje o Brasil importa médicos, é porque ontem o Brasil não ouviu, em fóruns como esse, a necessidade de organizar um planejamento estratégico na formação de recursos humanos para assistir os brasileiros do Sertão, do Pantanal, da Amazônia e das fronteiras com o Uruguai, para que nós pudéssemos ter como uma missão do País uma atenção à formação de pessoas que querem salvar vidas e cuidar da saúde do nosso povo", avaliou o governador.

O congresso, que segue até a próxima terça-feira (22/10), tem como tema central "Desafios na Educação Médica: Necessidades Sociais e Avanços Tecnológicos".

Na pauta dos debates, os aspectos atuais e o futuro da educação médica na graduação e pós-graduação, discutindo, entre outros assuntos, a profissionalização docente e o impacto das Diretrizes Curriculares Nacionais nas escolas e na comunidade.

Fonte: Blog do Jamildo Melo

Esta no blog do ney lima - Vai começar tudo de novo!

Já tá rolando pesquisa eleitoral em Santa Cruz do Capibaribe


Com um ano de antecedência da eleição de 2014, já tem instituto de pesquisa circulando em Santa Cruz do Capibaribe.

Neste sábado (19), um signatário do Blog foi entrevistado em sua residência. A pesquisa sonda a preferência dos eleitores apontando os nomes de Fernando Aragão, Ernesto Maia, Toinho do Pará e José Augusto Maia para o cargo de deputado estadual.

Na estimulação para do grupo de situação, surgem os nomes de Alessandra Vieira, Dimas Dantas e Diogo Moraes.

A pesquisa também faz simulações, cruzando os nomes dos possíveis candidatos dos dois grupos e avalia o grau de aprovação popular do Governo Edson Vieira.

O Blog não conseguiu identificar quem encomendou a pesquisa.

Campanhas eleitorais: o centro da corrupção, diz PF


Odiretor de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, Oslain Santana (foto), terceiro na hierarquia da instituição e tradicionalmente avesso a declarações públicas, afirma que pelo menos metade dos casos de corrupção tem relação com financiamento de campanhas eleitorais. Ele coordenou todas as grandes operações de combate contra fraudes em licitações, superfaturamento de contratos e contratação de ONGs de fachada desde 2011.

''Cinquenta por cento das operações da Polícia Federal contra corrupção têm como pano de fundo financiamento de campanha. Quando você investiga um caso de corrupção, desvio de dinheiro público, vai ver lá na frente que tinha um viés para financiar campanha política. Então, se resolvessem fazer uma reforma política, diminuiria muito o crime de corrupção. Isso é fato. Normalmente, numa investigação, é um prefeito desviando dinheiro, parte do dinheiro vai para seus interesses pessoais e parte do montante, para financiar a campanha. Essa é a realidade hoje. Um prefeito, um deputado, um governador e por aí vai. As várias investigações da PF e do Ministério Público comprovam o que a gente está comentando agora.'' (De O GLOBO - Jailton de Carvalho)

Clique aí e leia mais:  Campanhas eleitorais concentram corrupção
 

U zianque, a zelite, o vendaval


Faz 50 anos. Diante da movimentação das Ligas Camponesas, do desafio à hierarquia militar, de anúncios de gente ligada ao Governo sobre reformas "na lei ou na marra", o governador paulista Adhemar de Barros advertiu: "Vai chover". Choveu. A chuva inundou o Brasil por 21 anos, e tem consequências até hoje.


Dilma Rousseff teve de chamar o Exército para garantir o leilão do campo petrolífero de Libra, no pré-sal, marcado para esta segunda. Os petroleiros decidiram entrar em greve contra o leilão, acusando as elites brasileiras de vender o país aos estrangeiros - de novo, a ligação entre o que chamam de A Zelite e U Zianque. Este leilão é defendido por um especialista no ramo, Haroldo Lima, líder histórico do Partido Comunista do Brasil, que pode ser tudo menos amigo du Zianque. Aliás, muitas das grandes empresas petrolíferas ocidentais preferiram ficar fora; mas as grandes estatais petrolíferas chinesas estão na disputa. Sejam suas alegações falsas ou não, a greve dos petroleiros é explosiva: pode parar o país - como, em 1973, a greve dos caminhoneiros parou o Chile. E deu no que deu.



Um Governo que, para cumprir sua decisão, precisa chamar o Exército, mostra que não se sente forte. Instituições que não conseguem impedir o MST e o MTST, as Ligas Camponesas de hoje, de invadir prédios do Governo e ocupar áreas privadas, nem se sentem em condições de enfrentar mascarados que usam porretes, marretas, estilingues e pedras, mostram fragilidade. Exército e Polícias estão descontentes com verbas e salários. 



O clima é instável, sujeito a chuvas.

CRONICA DA POLITICA

Dilma Rousseff perde o charme quando fica sem os óculos

Presidente disse que quanto mais aperta os olhos, menos enxerga. Ouça a análise de Romualdo de Souza, direto de Brasília.

Missa de sétimo missa em memória de promotor assassinado será celebrada neste domingo

Capela de São Sebastião, em Águas Belas, foi o local escolhido pela família de Mysheva / Foto: Guga Matos/JC Imagem

Capela de São Sebastião, em Águas Belas, foi o local escolhido pela família de Mysheva

Foto: Guga Matos/JC Imagem

A Capela de São Sebastião, na cidade de Águas Belas, no Agreste Meridional pernambucano, foi o local escolhido para a celebração da missa de sétimo dia do promotor Thiago Faria Soares, 36 anos, executado friamente a tiros de espingarda calibre 12, dia 14, na PE-300. A missa acontecerá neste domingo (20), às 10h, e contará com a participação da noiva do promotor, a advogada Mysheva Freire Ferrão Martins. A missa foi marcada por familiares da noiva, já que o promotor não tem parentes na região. Ele era natural do Rio de Janeiro, onde reside sua mãe.

A missa terá duração de 1h e será celebrada pelo padre Evandro da Silva, um dos três representantes da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição na cidade. “Águas Belas é tradicionalmente um município muito religioso, com um povo de muita fé. E a família da noiva do promotor também é muito religiosa e sabe da importância das orações numa missa de sétimo dia de morte para elevar a alma do falecido”, explicou o sacristão Renato Souza.

A Capela de São Sebastião é a segunda igreja do município de Águas Belas. A missa não será celebrada na Matriz de Nossa Senhora da Conceição, a principal da cidade, porque a igreja está em reforma. Apesar do silêncio e da desconfiança da maioria dos moradores em relação ao assassinato de Thiago Faria, a expectativa é de que muitas pessoas compareçam à missa, principalmente familiares da noiva do promotor, que era titular de Itaíba, município distante 35 quilômetros de Águas Belas, e para onde Thiago Faria se dirigia, ao lado da noiva e de um tio dela, quando foi executado.

INVESTIGAÇÃO - Seguindo a proposta de não descartar qualquer linha de investigação, a Polícia Civil vai ouvir, na segunda-feira (21), o depoimento do último ex-namorado da advogada Mysheva Martins, antes de ela começar a namorar e noivar com o promotor Thiago Faria. O empresário Glécio Oliveira, 34 anos, proprietário de uma rede de planos de assistência funerária nas cidades de Manari, Arcoverde (Sertão de Pernambuco) e Caruaru (Agreste), teria tido um relacionamento amoroso com Mysheva por quase dois anos e, segundo informações repassadas extraoficialmente à polícia, teria emprestado R$ 100 mil para a advogada arrematar em leilão os 25 hectares dos 1.800 que compõem a Fazenda Nova. A propriedade é alvo de disputa há oito anos entre as famílias da advogada e dos acusados de serem os assassinos do promotor: o fazendeiro José Maria Pedro Rosendo Barbosa, o Zé Maria de Mané Pedo (suposto mandante, ainda foragido), e o agricultor Edmacy Ubirajara (suposto executor), preso desde terça-feira.

Do JC Online

Shareaholic