sábado, 29 de outubro de 2011

“O que nos cabe é discutir uma agenda para Garanhuns”

Como faz todos os anos, o senador Armando Monteiro, presidente estadual do PTB, participou na manhã desta sexta-feira (28), em Garanhuns, no Agreste do Estado, do congresso estadual da União dos Vereadores de Pernambuco. Falou na abertura do evento, que reúne mais de 300 parlamentares de 100 municípios do Estado.

Em entrevistas a blogs e rádios, Armando Monteiro fez uma avaliação do Congresso e comentou a pré-candidatura do deputado estadual Izaías Régis, do PTB, à Prefeitura de Garanhuns, que o recebeu na cidade. “Temos um candidato que tem um enraizamento, que tem uma extensa folha de serviços prestados ao município, que tem uma identificação com uma agenda de desenvolvimento local, que é um misto de empresário e de político na sua trajetória. Então, nós temos muita convicção que poderemos oferecer uma candidatura a Garanhuns”, comentou.

Veja abaixo as declarações de Armando a blogs e rádios:

Sobre o congresso da UVP

Armando Monteiro – “Eu tenho participado todos os anos e fiz muita questão de participar deste porque, inclusive, não sendo um ano eleitoral, a nossa presença tem um caráter mesmo de apreço aos vereadores. A nossa presença não pode ser confundida com uma presença de interesse meramente eleitoral. Eu vim fundamentalmente dar um testemunho do meu apreço a esse nível da representação dos vereadores de Pernambuco. Acho que a UVP tem dado exemplos de que é possível promover esse associativismo, estreitando os laços de convivência dos vereadores de todas as regiões de Pernambuco e definindo claramente, nesses congressos, um alinhamento, uma convergência de posições, não só de ações de interesse diretamente dos vereadores, mas sobretudo de interesse de Pernambuco. Essa agenda da UVP cada vez mais se sintoniza com os interesses de Pernambuco, das suas microrregiões, de todos os diferentes rincões de Pernambuco. Esse me parece que tem sido o grande resultado dos encontros da UVP”.

Sobre a sucessão municipal em Garanhuns

Armando Monteiro – “Se me procurarem (para falar sobre reação ao nome de Antônio João Dourado, pré-candidato do PSB no município), eu darei uma opinião, até contrária. Porque acho que não cabe repudiar pré-candidaturas ou candidaturas, o que cabe é discutir uma agenda para Garanhuns e ao povo é quem compete julgar as candidaturas que têm mais legitimidade, mais aderência às aspirações populares. Acho que qualquer movimento de repúdio soa como uma intolerância e acho que, no processo de convivência democrática, a gente não deve excluir a participação das pessoas, de ninguém, de ninguém. Acho que a questão é a seguinte: vamos fazer um debate alto sobre as questões de interesse do município e o povo é quem vai, ao final, julgar quem que acha que tem mais legitimidade para conduzir um projeto em favor do município e da região. Essa é a questão fundamental. Manifestações de intolerância, excludentes, não são, a meu ver, uma forma própria de conduzir o processo”.

Sobre a pré-candidatura de Izaías Régis

Armando Monteiro – “Nós do PTB entendemos que o processo deve estar aberto, não há reserva de mercado. Tanto na economia quanto na política reserva de mercado não dá certo. Ou seja, o processo na democracia é de franco acesso, as pessoas disputam onde entenderem que podem, evidentemente observando a lei. E aí cabe ao povo fazer o julgamento. Quanto mais opções você possa oferecer ao eleitor, melhor. Como nós do PTB temos muita consciência de que temos um candidato que tem um enraizamento, que tem uma extensa folha de serviços prestados ao município, que tem uma identificação com uma agenda de desenvolvimento local, que é um misto de empresário e de político na sua trajetória, então, nós temos muita convicção que poderemos oferecer uma candidatura a Garanhuns, uma candidatura que preencha todos os requisitos, e vamos seguir mais interessados em destacar os atributos e as qualidades do nosso candidato do que estar propriamente preocupado em desqualificar qualquer outro concorrente”.

Brejo da Madre de Deus é capa de Jornal

Prédios do Museu, Câmara e Cadeia serão reformados

O trabalho de restauração começou em 2009. A proposta é adaptar as salas do térreo e transformá-las em ambientes que contem a história do prédio e dos engenheiros Louis Vauthier e José Mamede, idealizador e finalizador do projeto do casarão, respectivamente. Nesse espaço, com portas e janelas feitas de grades de ferro, funcionavam as celas dos prisioneiros.
Ganhou grande destaque na imprensa Pernambucana as reformas que estão sendo feitas nos prédios do Museu, Câmara e Cadeia em nossa cidade. Estes prédios históricos são cartão postal de nosso Municipio e agora, estão recebendo o tratamento que merecem.
O Prédio de Câmara e Cadeia foi Projetada pelo engenheiro francês Louis Vauthier, em 1845. O prédio é um dos marcos da arquitetura no interior do Estado, mas estava com a estrutura comprometida. No espaço, vai funcionar um centro histórico de arte e cultura, onde serão realizadas diversas oficinas e atividades artísticas.
Louis Léger Vauhtier, arquiteto responsável pela idealização do projeto da Casa de Câmara e Cadeia, também projetou obras como o Teatro de Santa Isabel, a ponte Princesa Isabel e o prédio onde funciona hoje a Academia Brasileira de Letras, todos no Recife. A Casa de Câmara e Cadeia foi o único projeto que Vauthier realizou no interior do Estado.
Nosso empenho foi destaque numa série de reportagens do Jornal do Commércio durante os meses de setembro e outubro, como mostrado nos recortes colocados nesta postagem. Quem não nos conhece ou não é de nossa cidade, nem sabe o que é cultura não entende o sentimento que os brejenses tem em relação a estes prédios tão importantes. Mas os brejenses verdadeiros aplaudem nossa ação em defesa de nossa história.

Mendonça Filho “Ernando é o meu candidato”

Numa coletiva quente, o ex-governador e atual deputado federal, Mendonça Filho, esclareceu agora a pouco a questão “DEM” em Santa Cruz do Capibaribe, deixando claro que ele e Ernando Silvestre estão ontem sempre estiveram; no grupo boca preta. “Nós somos o Boca Preta original, o outro é o genérico”. O que ficou realmente claro é que o ex-prefeito Ernando Silvestre terá tempo para sentir o povo nas ruas, e entrar na mídia da cidade. Depois será feita uma avaliação para decidir se o grupo lança candidato a prefeito para 2012.



Imagens Márcio Silva

Shareaholic