terça-feira, 22 de março de 2011

Arrecadação federal soma R$ 64 bilhões em fevereiro

A arrecadação federal em fevereiro seguiu uma sequência de recordes de outros meses. De acordo com números divulgados há pouco pela Receita Federal, a arrecadação no mês passado somou R$ 64,138 bilhões. O valor, descontada a inflação oficial pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), é 9,38% superior ao de fevereiro do ano passado e é o maior da história para o mês.

Nos dois primeiros meses de 2011, a arrecadação totaliza R$ 155,939 bilhões. A quantia é R$ 17,952 bilhões maior que a registrada no mesmo período de 2010. O crescimento real, também levando em conta o IPCA, é de 13,01%.

De acordo com a Receita Federal, o desempenho da economia continua a ser o principal responsável pelo desempenho da arrecadação. Em dezembro de 2010 e janeiro deste ano, a produção industrial subiu 5,78%, as vendas de bens e serviços aumentaram 15,21% e a massa salarial cresceu 16,74% em relação aos mesmos meses dos anos anteriores. Como o fato gerador de um mês só influencia as receitas públicas no mês seguinte, a atividade econômica em dezembro e janeiro tem impacto na arrecadação de janeiro e fevereiro.

O aumento da lucratividade das empresas também contribuiu para o recorde na arrecadação. As receitas do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) tiveram aumento real de 20,55% nos dois primeiros meses de 2011. De acordo com a Receita, esses tributos foram os principais responsáveis pela diferença na arrecadação no acumulado do ano em relação ao ano passado.

O IRPJ e a CSLL foram os tributos que mais levaram tempo para se recuperar da crise econômica de 2009. Isso ocorreu porque a queda no lucro das empresas em 2009 repercutiu no imposto pago em 2010. Neste ano, as empresas estão pagando mais impostos por causa da lucratividade maior no ano passado.
Em relação a janeiro, a arrecadação federal em fevereiro caiu 30,13%. Essa queda, no entanto, ocorre todos os anos e se deve a diferenças no calendário de arrecadação de um mês para outro.

Porto enfrenta o Vitória com desfalques no time

O Porto se prepara para enfrentar o Vitória, na próxima quarta-feira (23), no Lacerdão, às 20h, pela 18ª rodada do Pernambucano. O treinador, Laelson Lima não contará com o meio campista, Douglas e com o lateral direito, Baiano. Ambos, estão sob avaliação do departamento médico.

Outro jogador que está suspenso é o atacante Paulista, que recebeu o terceiro cartão amarelo, e cumpre suspensão automática. Para o jogo de quarta, retornam os jogadores Thiago Laranjeira e Kiros que estavam suspensos.

“Nós vamos encarar o Vitória, mesmo sabendo das limitações que o nosso time possui com a suspensão de alguns jogadores. Mas, nós temos que acreditar que o Porto tem sido destaque e não podemos deixar cair o ritmo,” falou o técnico Laelson Lima, satisfeito com o resultado da equipe que ocupa a quarta colocação na classificação.

Mais da metade dos municípios podem ficar sem água em 2015

Dono do maior potencial hídrico do planeta, o Brasil corre o risco de chegar em 2015 com problemas de abastecimento de água em mais da metade dos municípios. O diagnóstico está no Atlas Brasil – Abastecimento Urbano de Água, lançado hoje (22) pela Agência Nacional de Águas (ANA). O levantamento mapeou as tendências de demanda e oferta de água nos 5.565 municípios brasileiros e estimou em R$ 22 bilhões o total de investimentos necessários para evitar a escassez.

Considerando a disponibilidade hídrica e as condições de infraestrutura dos sistemas de produção e distribuição, os dados revelam que em 2015, 55% dos municípios brasileiros poderão ter déficit no abastecimento de água, entre eles grandes cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre e o Distrito Federal. O percentual representa 71% da população urbana do país, 125 milhões de pessoas, já considerado o aumento demográfico.

“A maior parte dos problemas de abastecimento urbano do país está relacionada com a capacidade dos sistemas de produção, impondo alternativas técnicas para a ampliação das unidades de captação, adução e tratamento”, aponta o relatório.

O diretor-presidente da ANA, Vicente Andreu, disse que o atlas foi elaborado para orientar o planejamento da gestão de águas no país. Segundo ele, como atualmente mais de 90% dos domicílios brasileiros têm acesso à rede de abastecimento de água, a escassez parece uma ameaça distante, como se não fosse possível haver problemas no futuro. “Existe uma cultura da abundância de água que não é verdadeira, porque a distribuição é absolutamente desigual. O atlas mostra que é preciso se antecipar a uma situação para evitar que o quadro apresentado [de déficit] venha a ser consolidado”, avalia.

De acordo com o levantamento, as regiões Norte e Nordeste são as que têm, relativamente, os maiores problemas nos sistemas produtores de água. Apesar de a Amazônia concentrar 81% do potencial hídrico do país, na Região Norte menos de 14% da população urbana é atendida por sistemas de abastecimento satisfatórios. No Nordeste, esse percentual é de 18% e a região também concentra os maiores problemas com disponibilidade de mananciais, por conta da escassez de chuvas.

O documento da ANA calcula em R$ 22,2 bilhões o investimento necessário para evitar que o desabastecimento atinja mais da metade das cidades brasileiras. O dinheiro deverá financiar um conjunto de obras para o aproveitamento de novos mananciais e para adequações no sistema de produção de água.
A maior parcelas dos investimentos deverá ser direcionada para capitais, grandes regiões metropolitanas e para o semi-árido nordestino.

“Em função do maior número de aglomerados urbanos e da existência da região do semi-árido, que demandam grandes esforços para a garantia hídrica do abastecimento de água, o Rio de Janeiro, São Paulo, a Bahia e Pernambuco reúnem 51% dos investimentos, concentrados em 730 cidades”, detalha o atlas.

“Esperamos que os órgãos executores assumam o atlas como referência para os projetos. Ele é um instrumento de planejamento qualificado, dá a dimensão de onde o problema é grande e precisa de grandes investimentos e onde é pequeno, mas igualmente relevante”, pondera Andreu.

Além do dinheiro para produção de água, o levantamento também aponta necessidade de investimentos significativos em coleta e tratamento de esgotos. O volume de recursos não seria suficiente para universalizar os serviços de saneamento no país, mas poderia reduzir a poluição de águas que são utilizadas como fonte de captação para abastecimento urbano.

Andreu espera que o diagnóstico subsidie a elaboração de projetos integrados, compartilhados entre os órgão executores. “Ao longo do tempo, o planejamento acabou se dando apenas no âmbito do município, que busca uma solução isolada, como se as cidades fossem ilhas. É preciso buscar uma forma de integração, de planejamento mais amplo, preferencialmente por bacia hidrográfica”, sugere o diretor-presidente da agência reguladora. “Ainda não estamos no padrão de culturas que já assumiram mais cuidado com a água. Mas estamos no caminho, e o atlas pode ser um instrumento dessa mudança”

Prefeito de Sousa é preso por desacatar policiais

O episódio ocorreu em Canoa Quebrada, ontem, por volta das 16h. O prefeito Fábio Tyrone (PTB), de Sousa, no sertão paraibano, bateu seu carro e se envolveu numa discussão. Segundo o blogueiro Luís Tôrres, abordado por policiais, agiu de forma enérgica. Foi preso por abuso de autoridade e chegou a ser fichado. É melhor ficar em seu gabinete na prefeitura de Sousa. Apesar da oposição, ainda é mais tranquilo por lá.

Blog do Magno Martins

CAPACITAÇÃO PREVINE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

DEPOIS DO RECIFE, NAZARÉ DA MATA RECEBEU, NESTA SEGUNDA-FEIRA (21), O INÍCIO DA CAPACITAÇÃO EM GÊNERO DESTINADA A MELHORAR AS AÇÕES DE PREVENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. O TREINAMENTO QUE SE ESTENDE POR TRÊS DIAS REÚNE, NA FACULDADE DE PROFESSORES DE NAZARÉ, REPRESENTANTES DE 12 MUNICÍPIOS DA MATA NORTE. O MESMO CURSO SERÁ REALIZADO EM PALMARES A PARTIR DO PRÓXIMO DIA 28. A PROGRAMAÇÃO VAI ATÉ 14 DE ABRIL, ABRANGENDO TODAS AS REGIÕES DO ESTADO.

NO TOTAL, MIL PROFISSIONAIS RECEBERÃO O CURSO. A COORDENADORA DO NÚCLEO DE FORMAÇÃO EM GÊNERO E ASSESSORA PEDAGÓGICA DA SECRETARIA DA MULHER, CRISTINA CAMAROTTI, EXPLICA QUEM PARTICIPA DA CAPACITAÇÃO.

Budega Nordestina
Paulo Fernando.

Deputado federal Mendonça Filho recebe pauta do vereador Junior Gomes

O deputado federal Mendonça Filho recebeu o vereador Junior Gomes, em seu escritório, no Recife, na ultima sexta-feira, para discutir ações de melhoria para Santa Cruz do Capibaribe. Junior Gomes entregou a Mendonça Filho um documento com nove itens solicitando apoio na apresentação de três emendas parlamentares para a construção de duas creches nos bairros Oscazão e Palestina, de um ginásio poli-esportivo e para a pavimentação de diversas ruas e cobertura para o calçadão por traz do Moda Center. Além das emendas parlamentares, Junior Gomes pediu o apoio de Mendonça Filho para pleitos junto aos governos federal, estadual e municipal, como recursos junto ao Governo Federal para a construção de um hospital regional em Santa Cruz do Capibaribe e de um centro de convenções que atendam a necessidade do pólo de confecções, implantação de uma agência do Sebrae, de uma agencia do Banco do Nordeste (BNB), aquisição de três ônibus para estudantes universitários que estudam em Caruaru e Campina Grande(PB) e recursos para a conclusão a Central da Abastecimento. “Apesar de sermos oposição aos governos municipal, estadual e federal, estamos otimistas e contamos com o apoio e a força do Deputado Mendonça Filho na Câmara Federal para que, juntos, possamos trabalhar para o desenvolvimento de Santa Cruz do Capibaribe”, afirmou Junior Gomes. O deputado Mendonça Filho reafirmou seu compromisso com Santa Cruz do Capibaribe e com o pólo de confecções e disse que vai analisar o documento e dar encaminhamento as reivindicações. “Vou continuar trabalhando por Santa Cruz, apresentando emendas, indo a órgãos e ministérios, solicitando ao Governo do Estado e a prefeitura obras e ações que melhorem a vida do povo do município”,

GOVERNO ANTECIPA BONIFICAÇÃO AOS SERVIDORES QUE ATINGIRAM META DO PACTO PELA VIDA.

O governo do estado antecipou o pagamento da premiação aos servidores das polícias civil e militar e do corpo de bombeiros que conseguiram atingir a meta do programa Pacto pela Vida. Bonificação deveria ser incluída nos salários de abril, mas governador resolveu pagar este mês a gratificação. Reportagem secretário executivo da SDS, Alessandro Carvalho. Reportagem Débora Carvalho.

Marcos Araújo repórter policial. 81-9983-4803.

Armando Monteiro defende aumento de acordos bilaterais entre Brasil e Estados Unidos

E o Nordeste, em termos relativos, se fosse um país, teria uma economia mais fechada que o Brasil”, disse o senador pernambucano

Do site Política Real (www.politicareal.com.br)

Comentando a visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao Brasil neste fim de semana, o senador Armando Monteiro (PTB-PE) criticou, em entrevista à Política Real, a preferência dada ao multilateralismo na política externa brasileira e afirmou que o Brasil perdeu acordos bilaterais com o governo americano para outros países da América Latina.

O senador afirmou que a tentativa do presidente americano de aprofundar as relações comerciais para o Brasil, que perderam espaço para a China, deve ser aproveitada pelos empresários nordestinos para abrir a economia da região. Confira a entrevista completa:

Política Real: O Nordeste, antes mesmo do Brasil, passou a ter a China como seu principal parceiro comercial. Como você vê a chegada do presidente Obama, com essa determinação para que os Estados Unidos volte a ser o maior parceiro comercial do Brasil?

Armando Monteiro: Além das questões ligadas à agenda de conteúdo, no que diz respeito a acordos comerciais, as visitas têm um caráter simbólico importante, porque ela marca, a meu ver, um momento em que as relações bilaterais se redimensionam. Os Estados Unidos, com a presença do presidente Obama, sinaliza para a compreensão de que o Brasil tornou-se um parceiro de primeira linha no contexto dos interesses geopolíticos americanos. Eu tenho certeza que a presença do presidente Obama traduz exatamente essa compreensão dos Estados Unidos, de que o Brasil passa a ter um novo papel, de maior importância. Evidentemente, isso traz para os agentes econômicos, para os agentes políticos, um estímulo para que esse redimensionamento das relações se expresse em todos os níveis: comercial e nas relações de Estado.

Política Real: No Legislativo, seria possível fazer com que essa relação tivesse uma melhor composição? Nós sabemos que a decisão do Brasil em reconhecer a China anteriormente como economia de mercado gerou muitos danos, e o parlamento acabou aquecendo aquela decisão do governo federal.

Monteiro: Eu acho difícil que nós possamos retroceder nessa posição que conferiu esse status na relação com a China, de reconhecimento como economia de mercado, que me pareceu à época uma decisão equivocada. Mas de qualquer forma, não vejo como o Brasil possa retroceder, até pela importância que a China passou a ter no contexto econômico e comercial do mundo. A China se transformou no principal parceiro comercial do Brasil. A corrente de comércio do Brasil com a China se ampliou extraordinariamente. O que nós precisamos agora é encontrar meios, e o Congresso tem um papel importante nisso, em dinamizar as relações e, eventualmente, atuar em alguns campos que são muito importantes. A comunidade empresarial americana reclama há muito tempo sobre a questão dos acordos de bitributação, que penaliza, especialmente, as empresas americanas. O Brasil pode avançar nessa direção.

Do ponto de vista das relações regionais, dos países do Mercosul com os Estados Unidos, eu acho que é possível também promover acordos novos, e nesse sentido o poder Legislativo pode colaborar. O Brasil pode também valorizar acordos bilaterais de comércio que podem também ser incrementados. O Brasil, especialmente a política externa nos últimos anos, ela teve uma preocupação muito acentuada, a meu ver, com a questão do multilateralismo. Muitas vezes, o Brasil poderia ter se valido mais do instrumento de acordos bilaterais em algumas áreas, como os próprios Estados Unidos vêm fazendo, privilegiando países que concorrem hoje com o Brasil, como por exemplo, o México, que tem uma relação especial com os EUA. Os EUA promoveram acordos bilaterais com a Colômbia, com o Chile, e está na hora de o Brasil pensar um pouco em como incrementar essas relações a partir de novos marcos e novos acordos.

Política Real: Pernambuco sempre foi um grande importador e exportador, no Nordeste, com os EUA. Como o Sr. vê a possibilidade de o Nordeste se inserir nesse novo papel que se dá para o Brasil.

Monteiro: Pernambuco sempre vendeu para o mercado americano; havia uma cota preferencial de açúcar com preços diferenciados. O desafio do Nordeste, apesar dessa tradição, é se transformar em uma economia com maior grau de abertura. O Brasil, como um todo, ainda é uma economia fechada. E o Nordeste, em termos relativos, se fosse um país, teria uma economia mais fechada que o Brasil. É o que os economistas chamam de coeficiente de abertura: a relação entre o produto de exportação e o PIB regional. O Nordeste precisa ampliar sua inserção externa. E nesse sentido, Pernambuco, por exemplo, é um Estado que ainda exporta relativamente pouco. Portanto, no momento em que o Brasil redimensiona suas relações com os Estados Unidos, o Nordeste precisa estar muito atento para identificar oportunidades neste momento. E para isso, é fundamental que a comunidade empresarial do Nordeste, porque os negócios são realizados pelas empresas e não pelo Estado, participe desse processo e intensifique a sua presença em fóruns empresariais, para que o Nordeste não fique à margem desse processo que vai se traduzir num incremento das relações comerciais nos próximos anos.

(por Evam Sena e Genésio Araújo Junior )


Budega Nordestina

Foto: Miguel Ângelo

Confira resultados da 17ª rodada e classificação

Confira resultados da 17ª rodada do Campeonato Pernambucano, realizada no dia (20).

Placar

Santa Cruz 3 x 3 Náutico

Central 0 x 4 Porto

Vitória 2 x 1 Sport

Cabense 1 x 1 Araripina

Ypiranga 0 x 1 Petrolina

Salgueiro 3 x 0 América

Classificação

1 Santa Cruz – 35

2 Náutico – 35

3 Central – 33

4 Porto – 32

5 Sport – 28

6 Salgueiro – 22

7 Petrolina – 21

8 Cabense – 20

9 Vitória – 17

10 Ypiranga – 16

11 Araripina – 16

12 América – 13


Próximos jogos

Quarta, dia 23

Náutico x Salgueiro
Porto x Vitória
Petrolina x Central
América x Santa Cruz
Araripina x Ypiranga

Quinta, dia 24
Sport x Cabense

Shareaholic